A COMUNICAÇÂO SOCIAL OPINA  - 2

                 
    


In  " FORTUNAS 
& NEGÓCIOS "
Nº 84 - Ano 7 
Março 1999

 

As galerias de arte em todo o mundo aprenderam a usar Inernet como suporte importante à sua actividade comercial. Num só espaço virtual é possível reunir uma infinidade de obras de diversos estilos, desde artefactos africanos até uma exposição fotográfica de um jovem artista. Os próprios artistas podem facilmente divulgar a sua obra a uma larga audiência e em poucos segundos, através da publicação de uma página pessoal na Web. Graças a esta utilização crescente da Internet neste meio, qualquer pessoa pode aceder  (a partir da sua casa) às mais belas criações artísticas, não só do passado, através de museus virtuais, mas também das mais recentes obras através da visita de galerias virtuais, páginas de artistas ou mesmo exposições colectivas disponíveis na Web.
Segundo o artista plástico Luís Soares, a galeria de rua será sempre um local privilegiado para o contacto pessoal com o artista próximo ou o seu agente. A partir daí a multiplicação de contactos com a galeria e artistas será mais fácil utilizando a Internet. O artista está já a trabalhar em páginas com acesso restrito, onde fornece uma base de dados das obras disponíveis, preçários (que actualiza a qualquer momento) e demais condições.
A Internet proporcionou também o aparecimento de novos tipos de negócios relacionados com a arte. O projecto    .......    um novo conceito de centro comercial de arte, onde artistas e agentes podem coexistir e comercializar obras de arte junto de um público que utiliza as funcionalidades do site para efectuar compras de artigos de arte, não só originais, mas em muitos casos serigrafias ou simples cópias.

A pensar neste nicho de mercado, e aproveitando as vantagens da Internet quando aplicadas à comercialização de obras de arte, a CERAMICARTE ( Cerâmica Artística de Cascais) desenvolveu uma Exposição Virtual visando a promoção dos trabalhos produzidos e a sua consequente venda. O visitante poderá aqui encontrar recortes de imprensa com críticas aos trabalhos em exposição, além do currículo dos criadores, textos de acompanhamento e referências bibliográficas. Em exposição além da cerâmica, encontramos, tapeçarias, serigrafias, jóias,......
Luís Soares proprietário da CERAMICARTE e responsável por todo o projecto, afirma que  a Internet é um investimento a médio prazo, onde já é possível visualizar alguns resultados. Os primeiros são a imagem, mas no futuro a Internet vai ser o grande canal de divulgação e venda de arte.  De referir que a CERAMICARTE está presentemente a negociar com um distribuidor nos EUA para fazer as entregas dos seus produtos. Para isso seria criada uma central com stocks   mínimos, de forma a satisfazer com rapidez e poucos custos de transporte os clientes. Só as obras de arte originais é que seriam enviadas de Portugal.
O site da CERAMICARTE está  on-line  desde 1996, tendo sido o primeiro espaço totalmente dedicado a esta área em Portugal. Esta galeria virtual recebe uma média mensal de 21000 visitantes, dos quais apenas 35% são nacionais. A empresa possui uma base de dados de visitantes inscritos, que regularmente utiliza para informar potenciais clientes de todas as suas actividades, conforme a área de interesse solicitada.
Luís Soares afirma ainda que ao nível de contactos internacionais, a Internet à algo de inigualável e impossível de ser ultrapassada, pois a preços muito reduzidos muito rapidamente estabelecemos novos contactos e troca de interesses. Conhecemos e damos a conhecer as nossas ideias e obras, não perdendo tempo ou fazendo perder tempo. Podem-nos pedir melhores esclarecimentos, a que respondemos horas ou minutos depois, algo que em situações normais demoraria dias.
..............

A proliferação do comércio electrónico e da Internet vieram permitir que os objectos de arte possam ser comercializados via Internet. Apesar de não se tratar de um artigo de uso comum como um livro ou disco, existem já vários sítios na Internet que apostam na venda de pinturas, esculturas e serigrafias através da Web. No entanto, o processo é, na maioria dos casos, um pouco diferente de uma compra normal através da Internet. No caso de objectos de arte, os clientes não compram por impulso. Geralmente entram em contacto directo com o artista (via correio electrónico), tentam obter mais informações sobre o trabalho em questão e obra do autor, antes de avançarem para a aquisição do respectivo objecto. É este contacto directo entre cliente e artista que tornam a Internet um dos locais mais apetecidos por quem pretende comprar uma obra de arte.

Nuno Bernardo



Indice da Comunicação Social